Select Page

Keep up

..
Uma exposição sem imagens. (ainda uma exposição?)
Mas elas existem. Estão lá, na verdade. Tornaram-se outras. Como outras as fazemos. Como outros nos tornamos nas relações que com elas desenvolvemos. Tentamos acompanhar o seu curso. Movimento eufórico de uma existência passageira. O que fica somos nós, já transformados. Transformamo-nos imagem, sendo com ela. Somos através dela.
Farei sentido? (Fazer sentido será, talvez, já uma utopia). Um sentido são vários sentidos que nenhum são.
Acumulação e flexão. Retorno. Curvatura. Vector de múltiplas direcções. Histeria e contracção. Um movimento cardíaco sucessivo. Para cima e para baixo. Para todos os lados.
Uma exposição sem imagens porque somos nós as imagens. E ao sê-las, nunca as alcançamos, na verdade. Perdemos o toque. Perdemo-nos na lisura de um contacto em afastamento constante. A tendência faz o volume.
A propensão criou-nos imposição. (Agonia?)
"Avançar, avançar e avançar. Sempre, sempre!" - Avancemos.
...
Estamos mesmo dentro da imagem. Aqui. Enfim - as liberdades só são aparentes.
...
O nosso som é o som do clique - click. (generalização demasiada mas eficaz). Desenvolvemo-nos a partir dos seus efeitos. Actualizamo-nos no mundo, cada vez mais e com maior determinação, através do ecrã. (Lá dentro?) Fazemo-nos imagem: uma imagem que existe antes de nós próprios e que se concretiza no clique. O corpo afasta-se de si próprio. Ele existe na sua vertigem para a um corpo liso, desapropriado de si. Uma imagem de nós com os outros dentro.
Mas da mesma forma que o nosso estar no mundo caminha para que nos façamos imagem, as imagens, elas próprias, registam semelhante movimento. Imagens de imagens. Um circuito em diferido e lonjura.
Reconfiguramos modos de ver, modos de olhar e apropriar, reconfiguramos relações, reconfiguramos a ideia de "relação". Tentamos tocar tudo com a ponta dos dedos, mesmo que esse tudo já lá não esteja - porque ido na sua aparição material.
Desenvolvimento e metamorfose.
Keep up.
- vamos manter as zonas de obscuridade e incerteza - as exposições são convites.

David Silva Revés

Curadoria: Petri [with "y"]
David Silva Revés
Elsa Melo
Mário de Sousa Carvalho

Espaço Painel
todos os dias da semana, 24h/dia

Exposição integrada no Mexe_Encontro Internacional de Arte e Comunidade.

 

FILIPE AFONSO

Filipe Afonso investiga diferentes modos de mediação (tecnologia, media, arte, turismo, religião, política e economia) entre os seres humanos e aquilo que vêem, ouvem, pensam e sentem. Influenciado pela forma como as pessoas interagem com a tecnologia e como o acesso às imagens está a ser transformado, o seu trabalho fala de significados globais e universais para ansiedades contemporâneas produzidas nestas formas de mediação. As suas obras, situadas em locais e períodos de atrito, de hibridação e transformação política, ideológica e cultural, analisam processos de humanização, antropomorfização e politização de objectos e artefactos, assim como processos de manipulação de emoção e empatia produzidos por estruturas de poder nos indivíduos. Actualmente a viver entre França e Portugal, estudou cinema em Lisboa e em Praga e mostrou o seu trabalho no Carpenter Center for the Arts, Anthology Film Archives, Salon de Montrouge, European Media Arts Festival, Kochi-Muziris Biennale, Microscope Gallery, IndieLisboa International Film Festival, Kasseler Dokfest, cinematecas portuguesa e de Tel Aviv, entre outros

HERNÂNI REIS BAPTISTA

Hernâni Reis Baptista (Vila do Conde, 1986) vive e trabalha no Porto. É licenciado em Artes Plásticas - Multimédia, pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, onde foi selecionado com o prémio de aquisição da exposição de finalistas em 2013. Começou a expor em 2011, de onde se destacam as exposições colectivas “CAVE”, na SOLAR, Galeria de Arte Cinemática (Vila do Conde, 2012), “Sem Quartel”, no Sismógrafo (Porto, 2014), “SVEART” Saint Vincent European Art (Itália, 2012), “Terreno”, na Kubik Gallery (Porto, 2013) e “Force, Strength, Power”, na Galeria Baginski (Lisboa, 2017), entre outras. Apresentou individualmente “Mesa” e “Falha” no Espaço Campanhã (Porto, 2011 e 2013), “Tropismos”, no Espaço Vésta (Porto, 2015), “T-1000”, na Floating Islands, Maus hábitos (Porto, 2015), "Intraduzibilidade, Untranslatability, Unübersetzbarkeit”, no Klub Genau, a par do festival de arte “KARAT, the ocean and the river” (Colónia, Alemanha, 2013) e “Dog Eat Dog”, no Sismógrafo (Porto, 2017). Participou também em residências artísticas na qual se destaca a “360o Context and Process”, pela Triangle Network no espaço Hangar (Lisboa, 2015) e Estudos Gerais do Alvito, Residência artística (Alvito, 2017). Trabalha maioritariamente com instalação, escultura, video, e diversos processos digitais. http://hernanireisbaptista.com

MARGARIDA GOUVEIA

Margarida Gouveia (n. 1977, T. Vedras, PT, vive e trabalha em Londres) é mestre em fotografia pelo Royal College of Art, Londres (2012). Nas suas mais recentes e futuras exposições incluem-se : Galeria Hawaii-Lisbon, Lisboa, PT (2018); House of Photography em Deichtorhallen, Hamburg, AL (2017); Nobel Peace Center, Oslo, NO (2017), Foundação Banca del Monte di Lucca, IT(2016), Fundação Gulbenkian, Paris, FR (2016), todas parte do European Photography Exhibition Award 03; Relief Press na Banner Repeater Project Space, Londres, RU (2015); Hangaram Museum, Seoul, KR (2015); Museu do Chiado MNAC, LisboA, PT (2015); Photobook Dummy Award, Le Bal - Paris, Dublin, Milão e Kassel (2013); Espaço Novo Banco, Lisboa, PT (2012); Twelve Around One Gallery, Londres, RU (2011); The Mews Project Space, Londres, RU (2011); Museu Berardo, Lisboa, PT (2008); Museu de História Natural - Sala do Veado, Lisboa, PT (2010); MUDAM Luxembourg, LU (2008).

NATALIE SANDERS

Natalie Sanders (n.1981, vive e trabalha em Londres) tem um percurso académico que passa Winchester School of Art e pelo Chelsea College or Arte and Design. Como exposições individuais destacam-se: 2010/2011, Proto Bla: Natalie Sanders and Matthew Johnstone, Elevator GalleryUnknowable Identities: Jenny Gordon and Natalie Sanders, 198 Gallery; Postcards, Colne Gallery Colchester Hospital; Community Focus Residency exhibition, Arts Depot; em 2008, I need a thesaurus: Jay Tan and Natalie Sanders, Belsham Street studios, entre variadas expoisições colectivas no Reino Unido e no estrangeiro.


16 setembro a 14 outubro 2017
Galeria Painel

EXPOSIÇÕES ANTERIORES

Mar Novo

A exposição apresenta e discute várias peças que constituíram o projecto vencedor nas suas múltiplas valências, integrando elementos originais da extraordinária proposta que Júlio Resende desenvolveu para este ambicioso projecto colaborativo de obra pública.


17 novembro 2017 a 3 março 2018
Pavilhão de Exposições

do it

do it é uma exposição itinerante concebida e comissariada por Hans Ulrich Obrist e organizada pelo Independent Curators International (ICI), Nova Iorque.

do it is a traveling exhibition conceived and curated by Hans Ulrich Obrist, and organized by Independent Curators International (ICI), New York. 


25 de março a 23 de junho 2017

Inauguração 24 de março às 18:00
Pavilhão de Exposições

doingit.fba.up.pt

As Fotografias e o Resto 3

As Fotografias e o Resto 3, é o título da terceira edição da exposição que apresenta os portfolios e projectos editoriais desenvolvidos em Práticas da Fotografia (Artes Plásticas).


24 janeiro a 2 fevereiro 2018
oMuseu
Inauguração 17:00

Padrão

Residência Artística: Deslocações #01
Exposição de Estudantes da Licenciatura em Artes Plásticas — Multimédia


24 março a 21 abril 2018
Museu Municipal Abade Pedrosa
Museu Internacional de Escultura Contemporânea
Santo Tirso

Questões de Conservação 3

Estudos de Barata Feyo para as fontes do Direito no Palácio da Justiça do Porto


12 a 20 abril 2018
Galeria do Museu

Prémios de Aquisição FBAUP 2016/17

Exposição com os premiados das licenciaturas em Artes Plásticas e em Design de Comunicação


21 setembro a 4 outubro 2017

Galeria Cozinha
Inauguração 15:00

 

HIATO

Exposição dos alunos finalistas do 4ºano da Licenciatura em Artes Plásticas, Ramo de Escultura


25 janeiro a 25 fevereiro 2018

Fórum Maia, Galeria 4
Inauguração 19:00

 

Cerejas para um amigo

Exposição de desenhos do Escultor José Rodrigues


21 setembro a 6 outubro 2017

Galeria 1º andar
Inauguração 15:00

 

Slow is the New Fast

Exposição de Finalistas do Mestrado em Arte e Design para o Espaço Público


21 setembro a 4 outubro 2017

oMuseu e outros locais
Inauguração 15:00

 

Ecos Pop

Exposição de Isabel Cabral e Rodrigo Cabral.


14 julho a 28 outubro 2017
Pavilhão de Exposições

Time-Lapse

Exposição dos alunos finalistas da licenciatura em Artes Plásticas Multimédia da FBAUP


9 dezembro 2017 a 6 janeiro 2018
Solar, Galeria de Arte Cinemática, Rua do Lidador, Vila do Conde.

Sem Retorno

Exposição de Design de Comunicação – Finalistas LDC


22 a 30 junho 2017

Galeria do Museu
Inauguração 16:00

 

Addio, adieu, auf wiedersehen, goodbye

Exposição de Artes Plásticas – Finalistas Multimédia


8 a 22 junho 2017

Cooperativa dos Pedreiros
Escola Profissional de Economia Social
Inauguração 16:00

 

Tubo de Ensaios 1617

Mostra Curricular _Atelier II _ Escultura _3º ano LAP_ 2016/17


21 a 28 junho 2017

FBAUP
Inauguração 16:00

ANAMNESE_17

Exposição de Artes Plásticas — Pintura (estudantes finalistas)


2 a 9 junho 2017

oMuseu
Inauguração 16:00

 

Zona Incerta

Exposição da dupla de artistas Sturqen


17 março a 14 abril 2018
Galeria Painel

Print Proposals // Julija Pociute

Ciclo de exposições organizado pela Pós-Graduação em Gravura.


16 a 20 abril 2018
Artists Talk
18 abril · 14:00
Galeria Cozinha

Vão

Exposição com os estudantes de Mestrado em Práticas Artísticas Contemporâneas


5—17 jan 2018

oMuseu
Inauguração 16:00

 

Últimas Vagas

Candidaturas a Mestrados e Doutoramentos


11 a 15 de setembro 2017

D’après Abel Salazar: arqueologia, verificação, projeção

Iniciado em setembro de 2016, o projeto D’après Abel Salazar: arqueologia, verificação, projeção, uma colaboração entre a Casa-Museu Abel Salazar (CMAS) e a Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP), através do seu Mestrado em Desenho e Técnicas de Impressão (MDTI), pretende redescobrir as técnicas de gravura usadas por Abel Salazar.


3 junho a 8 setembro 2017
Casa Museu Abel Salazar
Inauguração 3 junho às 17:00