Select Page

Sopro

"Não foi o que desejámos: notas para a Sopro possível

O ano lectivo de 2019/20 iniciou-se como habitualmente e com expectativas relativamente à qualidade e diversidade dos estudantes seriados para a especialização em Escultura do Mestrado em Artes Plásticas (MAP.E.FBAUP). Nenhum dos estudantes da turma se conhecia, como é comum em programas de pós-graduação. A Mostra Curricular UmPontodeSituação19|20 permitiu a fruição presencial e também a demonstração dos laços já iniciados entre o grupo, num convívio e partilha académicos muito salutares e profícuos para os seus percursos. As formalizações e materializações plásticas da Isabel Dores, da Pilar Mackenna, da Letícia Maia, da Clarice Cunha e do Rui Mota com formações, experiências e origens distintas, bem como os temas, questões, preocupações e valias, potenciaram a diversidade das experiências concretizadas até janeiro de 2020, e decorrentes dos seus planos individuais de trabalho com estruturas, dinâmicas e pressupostos diversos e, por vezes, complementares.
(….)
Entretanto, no final de fevereiro surgem notícias da aproximação da pandemia e os primeiros dias de março divulgam o estado de emergência nacional e consequente confinamento. Mais mudanças, alterações e ajustes, mas, agora para todos: um choque, um relâmpago que alterou, em tudo, as nossas vidas. Facilmente, se entenderá a impossibilidade de lecionar, Artes Plásticas, Escultura, e, concretamente, a UC Estúdio em Escultura, quando privados de quase tudo o que faz parte dos processos, mas também dos resultados.
Sem acesso a oficinas, sem o apoio presencial, sem as ferramentas, sem a interajuda vivida em direto e em contacto, tivemos que adaptar, rapidamente, a vida e uma realidade académica para a qual nenhum de nós estava preparado. O agora, o hoje, tornou-se distinto, sempre em casa, com e através de monitores.
(…)
Não foi fácil para nenhum de nós: foi uma experiência irrepetível e única, nem que se seja porque foi a primeira das nossas vidas. (…)
Procurámos ampliar a sinestesia, a visão háptica, através de ferramentas e recursos tecnológicos acessíveis e que permitiram colmatar algumas lacunas mantendo as sessões, muitas vezes bem mais longas. Estivemos em grupo e individualmente em atendimentos sem distrações e com outras possibilidades que se acrescentam ao fazer em contacto directo e pessoal. Conseguimos muito, mas muito também faltou ou teve que ser ajustado ou adiado.
(...)
Deu-se prioridade imediata à atenção a tudo… ao tempo, ao detalhe, ao gesto, mas também ao mundo, ao global, ao que mudou para todos em todos os lugares.
A primeira preocupação foi apelar à imaginação e criatividade, aguçando as emoções, as sensações, sentimentos e sentidos. Foi fundamental não desistir nem perder o ânimo, não permitir que o desânimo, desistência ou que a impotência se apossassem de nós.
No dia 21 de julho gostaríamos de ter estado todos juntos com todos aqueles que quisessem estar também. Como se fosse um Sopro de alívio e não um medo e receio do Sopro, ou do sussurro.
(…)

Depois deste longo e estranho semestre, daquilo que foram estes meses, aconteceu a Sopro. Mostra Curricular de Estúdio em Escultura. MAP.2020: o final de um percurso.

(...)

Não vos vou maçar mais. Já falei muito, já me ouviram muito e eu a vocês, nesta espécie de vazio que nos habita, com e como corpo, nas palavras que enunciam o projecto da Isabel Dores, o peso é muitas vezes insustentável, e o vazio transforma-se em cheio ou em espaço negativo. Nos seus textos podemos ler que a distância é experienciada numa “dualidade do próprio corpo, o corpo e o espaço invisível, e a relação do corpo com o objeto (…). O volume, permeado por um vazio, é desenvolvido e reconhecido pelo aprisionar da matéria. O espaço vazio, perde a sua propriedade estéril e passa a habitar o outro lado: um nãomundo de espaços negativos que vagueia entre uma presença e uma ausência do corpo”.

Com aproximações de ordem conceptual mas com um distanciamento enorme na expressão desses corpos no e com o espaço, o corpo resistência da Letícia Maia, é simultaneamente doce e amargo, em níveis, graus e camadas de leitura, participação e fruição, diversos. D Ó C I L_metáforas do poder. A performance como resistência poético-política, parte da prática artística autoral onde nos apropriamos da palavra dócil em seus diversos significados, para tomá-la como jogo metafórico na formulação de estratégias estéticas”. A Letícia questiona como “as relações de poder agem nas relações sociais e, consequentes influenciam na construção da nossa subjetividade (…). Considerando que a performance, enquanto prática artística, lança um olhar crítico para a sociedade e elabora ações que provocam o imaginário social a repensar possibilidades performativas do corpo, reguladas pelas relações de poder (…) como ato de resistência poético-política”. Um diálogo entre ética e estética, entre o poder, a submissão e a subordinação incorporadas social e culturalmente.

A Clarice Cunha e a Pilar Machenna tiveram, neste período de confinamento, necessidade de incluir no processo e nos trabalhos seu corpo físico visível, o que antes não acontecia. Talvez de passagem e pelas necessidades impostas, que entendo similarmente como abertura a outras possibilidades que ampliam os seus pressupostos e projectos.
Monumental descartável vem com a Clarice e desenvolveu-se desde o início deste ciclo. O trabalho está sempre dependente da experiência vivencial da Clarice no local onde vive e com qual se relaciona: vem dela e das coisas do lugar.
Sumariamente, são composições híbridas que conjugam matérias produzidas pelo ser humano com matérias naturais, nas quais “estabeleço relações de complementaridade e oposição refletindo sobre o ambiente construído a partir da interferência humana”, e através de processos “de reflexão sobre o acúmulo, o consumo, a cultura material da arquitetura local e dos objetos domésticos. Observo o espaço construído da cidade, investigando o diálogo entre matérias (…): um processo de coleta, catalogação, reorganização e resinificação”. As esculturas remetem quer para maquetas que sugerem a escala arquitetónica como para cenários, que se organizam e compõem os espaços, “criando mais camadas de resinificação destes materiais que escolhi trabalhar”.

Por outro lado, a Pilar e as suas Constelaciones y Derivas, surgem como Diagramas para la construcción de un pensamiento visual-objetual, como enuncia no título do seu plano e projecto de investigação. Para esta estudante chilena que, como a Letícia e a Clarice, atravessaram o Atlântico, “el desafío de ésta investigación, se sitúa en la posibilidad de comprender el vínculo del ser humano, su entorno y los sistemas en los que está inscrito, naturales o urbanos, a través de una especulación visual y material llevada al campo de las artes plásticas” (…)  A subtileza, leveza e apuramento compositivo pela simplicidade formal, são caracterizantes e cunhados por uma delicadeza de gestos e ações contidas nos objectos tridimensionais com organizações espaciais variáveis, cirando diálogos ou conversas entre si, ou permanecendo no tempo através das fotografias.

Para finalizar, faz sentido tentar responder ao que será O carácter ineliminável da arte aprofundando estratégias de simplificação formal e processual, proposto pelo Rui Mota, e já anunciado neste texto.
Segundo o Rui, trata-se de exercitar, filtrando, e procurando entender o que será imprescindível, na prática e experiência artísticas. “Forma, Conteúdo, Espaço, Tempo e Público são os resultantes pilares cujos primeiros dois e os seguintes três compõem, respetivamente, o que se reconhece por Objeto e Contexto. Este último, que na maioria dos casos continua a ser, pelo menos em parte, ignorado, constitui-se como eixo de investigação analisando a recíproca influência que trava com os Objetos e delineando métodos conscientes de modelar o que não se pode excluir. Do contexto da forma à forma do contexto, explora-se o Espaço, o Tempo e o Publico como participantes indispensáveis da equação artística, mediante uma prática, predominantemente escultórica, que se foca na presença do Objeto além dos seus limites físicos”.
(…)

Não foi nada fácil, nada foi simples, mas aconteceu e fica registado dentro de nós como uma conquista.

Testemunho audiovisual Sopro


Sugestão: durante a visualização do testemunho audiovisual que acompanha este texto, dedique igualmente atenção aos títulos ou nomes atribuídos, pelos estudantes, às suas materializações plásticas.”

FBAUP, 27 julho 2020
Rute Rosas
www.ruterosas.com
Regente e Docente da UC Estúdio em Escultura

*O texto completo pode ser lido em: Sopro_final

EXPOSIÇÕES ANTERIORES

O avesso do avesso do avesso [do avesso]

O avesso do avesso do avesso [do avesso] é o título de uma exposição que começou há alguns meses no contexto do programa doutoral em Artes Plásticas da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto.


/Online

revolver

detalhes da pesquisa de artistas investigadores do programa doutoral em Artes Plásticas da FBAUP


12 de set a 25 de out
Casa das Artes

 

SHIFT

Exposição de Finalistas de Design de Comunicação 2019/20


28 set a 02 de out
oMuseu

 

Vaga

Uma ocupação sonora e visual.


21 a 25 set
FBAUP

 

Com-Fim

Intervenção final dos estudantes de Projecto (Licenciatura em Artes Plásticas – Multimédia)


/Online

 

Intervalo — Antes e depois, o desenho

Exposição de Práticas de Desenho [Licenciatura em Artes Plásticas]


prolongada até 10 out 2020
Sala de Exposições Temporários do Lugar do Desenho

 

do it (home)

do it comissariada por Hans Ulrich Obrist e desenvolvida pela Independent Curators International (ICI), com curadoria local de Lúcia Almeida Matos e Inês Moreira, aconteceu no Pavilhão de Exposições da FBAUP no decorrer de Março a Junho de 2017. Uma exposição que contou com a colaboração de estudantes, docentes e restantes colaboradores da Faculdade, na interpretação de 23 instruções de artistas internacionais. Surge agora neste período de distanciamento social a do it (home) que convida a novas interpretações a serem realizadas por qualquer pessoa. #doitathome

Sonhos e Raciocínios — 500 anos depois de Leonardo da Vinci

A exposição Sonhos e Raciocínios explora cinco aspetos presentes no desenho do Porto — variante e variação, o gesto quotidiano, o gesto da escrita, mínimo e excesso, o olhar íntimo — em desenhos de várias épocas e autores que abrangem desde estudos precisos a lápis em pequeno formato até instalações de desenhos-performance.


17 out a 14 dez 2019
Pavilhão de Exposições

Leonardo da Vinci – O desenho do Porto

A obra de Leonardo da Vinci, Rapariga lavando os pés a uma criança, será exibida durante o dia 2 de maio, quando se assinalam os 500 anos sobre a morte do grande artista italiano.


2 maio 2019
11:00 às 20:00
Pavilhão de Exposições

Imagem / Técnica — Os inventários de Emílio Biel

Exposição dedicada aos álbuns fotográficos de grande formato que o fotógrafo, editor e empresário alemão publicou para a Associação dos Engenheiros Civis Portuguezes.


31 maio a 20 julho 2019
Pavilhão de Exposições
Inauguração 30 maio às 18:00

 

A partir do Antigo

A exposição refere-se a métodos de formação artística historicamente baseados na cópia de modelos clássicos. 


1 março a 20 abril 2019
Pavilhão de Exposições
Inauguração 28 fevereiro às 18:00

 

Japanese Design Today 100

Design Japonês Hoje 100


16 novembro a 15 dezembro 2018
Pavilhão de Exposições
Inauguração 15 novembro às 18:00

 

Histórias por contar

Elas: autoria & autoridade em questão


20 julho a 27 outubro 2018
Pavilhão de Exposições

Prata da Casa

É uma exposição organizada por André da Loba a convite do Clube de Criativos de Portugal que reúne 120 ilustradores, de diferentes gerações e diferentes áreas de formação – incluindo alguns estudantes e professores desta Faculdade.


16 setembro a 4 outubro 2019
Pavilhão de Exposições
Inauguração 16 setembro às 12:00

Mar Novo

A exposição apresenta e discute várias peças que constituíram o projecto vencedor nas suas múltiplas valências, integrando elementos originais da extraordinária proposta que Júlio Resende desenvolveu para este ambicioso projecto colaborativo de obra pública.


17 novembro 2017 a 3 março 2018
Pavilhão de Exposições

do it

do it é uma exposição itinerante concebida e comissariada por Hans Ulrich Obrist e organizada pelo Independent Curators International (ICI), Nova Iorque.

do it is a traveling exhibition conceived and curated by Hans Ulrich Obrist, and organized by Independent Curators International (ICI), New York. 


25 de março a 23 de junho 2017

Inauguração 24 de março às 18:00
Pavilhão de Exposições

doingit.fba.up.pt

ONZE SEGUNDOS SACÁDICOS

Exposição de Tomás Abreu


26 maio a 16 junho 2018
Galeria Painel
Rua das Taipas, 135 Porto
Inauguração às 17:00

As fotografias e o resto #4

As fotografias e o resto #4, patente de 18 a 25 de Janeiro de 2019 no Museu da FBAUP, é a quarta edição da exposição anual de estudantes de Práticas da Fotografia, reunindo trabalhos realizados nos anos lectivos de 2018/19.


18 a 25 janeiro 2019
oMuseu
Inauguração às 14:00

Encode / Store / Retain / Recall

Exposição dos estudantes finalistas da Licenciatura em Artes Plásticas — Multimédia da FBAUP


24 a 31 janeiro 2019
Palacete Pinto Leite
Rua da Maternidade, 3—9
Porto
Inauguração Quinta · 17:00

Tem de ser / Has to be

Exposição dos estudantes finalistas da Licenciatura em Artes Plásticas — Multimédia da FBAUP


31 maio a 7 junho 2019
oMuseu + Galeria do 1º andar
Inauguração · 17:00

Tubo de Ensaios 17_18

Mostra Curricular Atelier II Escultura 3º ano · LAP 2017/18


15 a 21 junho 2018
Vários espaços da FBAUP

Projeto Lab.25

Tendo como lugar de investigação o Palacete J. Narcizo D’Azevedo e a contígua Ilha e Fábrica Fogões Meireles, explora-se a sua relação temporal e espacial com a envolvente, reanalisa-se o espaço produzindo narrativas e situações poéticas. 


13 a 21 junho 2019
Galeria 1º andar

Acreção

Exposição de estudantes finalistas de LAP — Escultura


14 a 21 junho 2019
oMuseu
Inauguração 18:00

Tubo de Ensaios 18_19

Mostra Curricular Atelier II Escultura 3º ano LAP 2018/19


6 a 12 junho 2018
Vários espaços da FBAUP

As Fotografias e o Resto 3

As Fotografias e o Resto 3, é o título da terceira edição da exposição que apresenta os portfolios e projectos editoriais desenvolvidos em Práticas da Fotografia (Artes Plásticas).


24 janeiro a 2 fevereiro 2018
oMuseu
Inauguração 17:00