Select Page

O Direito às Histórias

O ‘Direito às Histórias’ retoma o ciclo de exposições de projetos de investigação em desenho iniciados no Estúdio de Desenho, do Mestrado em Artes Plásticas da FBAUP. Esta exposição decorre da colaboração entre o Departamento de Desenho da FBAUP e o Lugar do Desenho – Fundação Júlio Resende, num propósito conjunto de apoiar a criação e divulgar a prática do desenho na diversidade dos seus meios, suportes, modos de pensar, contextos e funções.

Para esta geração de autores que coloca o desenho no centro da sua prática, desenhar é uma forma de compreender e comentar o mundo na sua complexidade. Por isso, o termo ‘desenho’ tanto reflete e representa uma parcela do seu mundo como é uma forma de intervir ativamente nele.

Não é por acaso que a palavra “Direito” abre o título da exposição. Na sua síntese, os projetos refletem-se no desenho como um direito: o direito à paisagem, o direito ao corpo e o direito à memória, na história individual, familiar e coletiva.

No direito à paisagem, apresentam-se trabalhos que decorrem de uma reconstrução da experiência da paisagem enquanto traço e impressão. Esta reconstrução reflete os modos pelos quais percebemos a paisagem como matéria e inscrição do corpo, e como essa perceção se confunde com a própria paisagem. O direito ao corpo reflete sobre os modos de representação e autorrepresentação dos corpos nas suas diferenças, na fronteira das suas categorias e na força da sua fragilidade. Estes trabalhos resultam de uma visão do corpo como uma experiência interior, que contraria a imagem do corpo como objeto de desejo ou curiosidade. O direito à memória reúne desenhos que, a partir de pesquisas etnográficas e do trabalho da memória, reconstituem fragmentos da história familiar ou da história cultural. Mais do que exercícios de reconstituição de um tempo vivido em diferido, o direito à memória reivindica um papel ativo na definição dos modos pelos quais a história coletiva se conta.

Conscientes da impossibilidade de definir e usar o desenho num único sentido, estes autores questionam o que pode ser o desenho para a sua geração; como dialoga com as diferentes artes e como constrói e altera a perceção de si próprios e do mundo.

 

Participações:
Peso e Leveza no Espaço (Ana Mouralinho)
Sinais - notas sobre gesto, língua, corpo e presença (Giovanna Poletto)
“Vó, como era uma viagem do avô?” (Maria Inês Graça)
Cobogó – entre o visível e o vazado, memórias nipo-brasileiras (Pati Nakamura)
O repórter viandante (Pedro Lameiras Gil) 

Org.
Paulo Luís Almeida, Graciela Machado
[Estúdio de Desenho]
MAP - Mestrado em Artes Plásticas
Departamento de Desenho
Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto

 


3 jul a 11 set 2021
Fundação Júlio Resende – O Lugar do Desenho

CONFERÊNCIAS ANTERIORES

Processos de transformação no Ensino/Aprendizagem em Arte

Alexandre Alves Costa, Anni Ghunther Nonell, Domingos Tavares, José Paiva, Mário Bismarck, Miguel Leal, Rui Braz Afonso, Sérgio Fernandez e Estudantes da UC optativa do MIARQ/FAUP – Arquitectura: processos de transformação no ensino/aprendizagem


5 e 6 julho 2018
Sala 13A Pavilhão Sul e Auditório do Pavilhão Carlos Ramos

Apresentação Pública da Bienal BoCA

A BoCA – Biennial of Contemporary Arts é uma nova bienal de artes contemporâneas que tem a sua primeira edição entre 17 de março e 30 de abril de 2017, nas cidades de Lisboa e Porto.


10 fevereiro de 2017 · 17:00
Aula Magna

A Aura da Imagem

Sessão organizada a propósito da apresentação do 1º número da publicação SOPHIA “Crossing Borders,Shifting Boundaries, The Aura of The Image” 


30 novembro 2017 · 17:30
Auditório Pavilhão Sul